Manifesto inter-religioso de apoio aos povos indígenas, indigenistas e servidores da FUNAI

No dia 23 de junho, a Catedral Episcopal Anglicana de Brasília (IEAB), o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC), a Iniciativa das Religiões Unidas (URI), a Conferência dos Religiosos do Brasil, regional Brasília, e a Rede Nacional da Diversidade Religiosa e Laicidade (RENADIR) realizou um ato inter-religioso em solidariedade e apoio aos povos indígenas. 

A atividade fez memória e pediu justiça pela morte do indigenista Bruno e do jornalista Dom, assassinados no Vale do Javari. Na ocasião, foi apresentado um manifesto inter-religioso em apoio aos e às servidoras da FUNAI e aos povos indígenas. 

O manifesto está disponível para adesão neste link.

Abaixo, leia a íntegra do manifesto:

Manifesto inter-religioso de apoio aos povos indígenas, indigenistas e servidores da FUNAI

Quem morre vira semente! Esta é a frase que foi recorrentemente afirmada por representações indígenas ao longo de toda a pandemia da COVID-19.  Ao virarmos semente, a existência assume outros significados que servirão de consolo, orientação e força para quem ficou.

Hoje, 23/06/2022, fazem sete dias que as mortes de Bruno e Dom foram confirmadas, após dez dias de profunda angústia e ausência de respostas. Bruno e Dom foram assassinados de várias formas. Além da barbárie do crime, a dignidade de ambos foi assassinada por autoridades políticas que tentaram desqualificar a história destes dois filhos do Brasil. Bruno e Dom tinham como missão de vida a defesa dos povos das florestas, a proteção às comunidades indígenas de recente contato e a coragem profética de contar ao mundo, em palavras e ações, tanto sobre o modo de vida das comunidades indígenas do Vale do Javari, quanto sobre as capilaridades entre crime organizado, pesca ilegal, mineração e outras formas de destruição da floresta e suas múltiplas formas de vida.

Bruno e Dom viraram sementes, ou, como expressou Beatriz de Almeida Matos, antropóloga e companheira de Bruno, tanto na vida, quanto na luta pela defesa dos povos indígenas, os espíritos de Bruno e Dom passeiam pela floresta e estão espalhados entre nós, por isso, a força de lutar por políticas indigenistas e pelas florestas torna-se mais forte. 

Esta força impulsiona o movimento que desvela a política anti-indígena promovida pelo atual governo. Os e as servidoras da FUNAI, corajosamente, estão mobilizados e em greve como reação às atrocidades cometidas pelas autoridades que deveriam zelar e garantir a existência das comunidades e lideranças indígenas e a segurança de indigenistas e ambientalistas.

Os espíritos-sementes de Bruno e Dom revelam que o que se tornou crime no Brasil é a defesa dos direitos humanos, territoriais, sociais, ambientais, econômicos. A legalidade é mobilizada para justificar atrocidades e criminalizar a luta por direitos. 

O Brasil chegou no limite. A barbárie instalou-se entre nós. Ela está nos assassinatos de Mariele Franco, de Genivaldo, de Bruno e de Dom. Está presente nas chacinas de Jacarezinho e da Vila Cruzeiro e em todas as políticas que reforçam e legalizam a violência.

A greve dos e das servidoras e servidores da FUNAI é por Justiça para Bruno e Dom, é pela interrupção das políticas anti-indigenistas coordenada por Marcelo Xavier e por uma FUNAI que cumpra a sua tarefa de proteger os povos indígenas!

A mobilização e a greve das trabalhadoras e dos trabalhadores da FUNAI é uma brecha para nos reencontrarmos com nossa humanidade perdida.

Nós, organizações religiosas e pessoas de diferentes espiritualidades apoiamos esta greve, da mesma forma, que exigimos a apuração independente, séria, profunda e transparente das mortes de Bruno e Dom, para isso, não é possível ignorar as denúncias feitas pela UNIJAVA. Estas denúncias precisam ser incluídas e ser parte central do processo de investigação, sob o risco de legalizarmos o crime e criminalizarmos os direitos humanos.

Convidamos você, sua organização a assinarem este manifesto. Por Bruno, por Dom, por todas as comunidades indígenas, por todos/as indigenistas, pelos/as ambientalistas.

Não ao Marco temporal e por uma FUNAI indígena e indigenista!

  • Catedral Anglicana da Ressurreição
  • Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (CONIC)
  • Comissão Brasileira Justiça e Paz
  • Diocese Anglicana de Brasília
  • Instituto de Imigrações e Direitos Humanos 
  • URI América Latina e Caribe CRB – Brasília
  • RENADIR – Rede Nacional da Diversidade Religiosa e Laicidade

Lembre-se: você também pode assinar conosco, neste link.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *